quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

O armário não nos protegerá.


No dia 09/02/2014 a folha de São Paulo publicou uma nota divulgando quais são as medidas de segurança adotadas por pessoas gays que frequentam a rua Frei Caneca - SP :


ESTRATÉGIAS DE SEGURANÇA
As táticas adotadas pelos frequentadores da rua Frei Caneca para evitar agressões:
Andar sempre em grupos: ter amigos por perto pode intimidar agressores
Evitar lugares abertos: ir a locais fechados sempre que possível para aumentar segurança
Não dar "pinta": alguns trejeitos podem atrair a atenção de criminosos
Evitar andar de mãos dadas e beijar em locais públicos
fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/151441-estrategias-de-seguranca.shtml


            Isso denuncia como as pessoas homossexuais são tratadas quando a questão é a violência contra elas, com isso não quero dizer que só homossexuais sofrem, não gente, mulheres sofrem isso, ainda mais que homossexuais, só olhar os índices de estupro e violência contra a mulher que verão, mas como a matéria fala sobre homens homossexuais falarei sobre isso.

            Quero além de tudo me ater à uma parte da matéria.

"Não dar "pinta": alguns trejeitos podem atrair a atenção de criminosos"


            Isso denuncia algo muito grande, ainda que de forma sutil, que é a misoginia (não quero dizer que homens sofrem misoginia, estou dizendo que a repulsa ao feminino e a subalternização do feminino pode ser vista como misoginia) e como isso está atrelado em nossa sociedade e quando digo sociedade falo também na comunidade gay.
            Quando a matéria diz que dar pinta atrai a atenção dos criminosos, faz com apontemos quem são os criminosos e que eles sejam responsabilizados e culpabilizados pelos crimes que cometem.
            Você pessoa afeminada que não corresponde às normas de gênero impostas à ti, você que não consegue corresponder ou se preocupa e/ou se nega à corresponder à um padrão de masculinidade seguro, você não é culpado da violência que sofre, a violência que é lançada contra ti, contra o feminino, não é responsabilidade sua, não é sua culpa.             De fato sua feminilidade, o fato de você ser afetado, afeta à sociedade e desperta os criminosos, aqueles que cometem crimes contra você, contra sua identidade, aqueles que segregam você e dizem que você não tem dignidade, essas pessoas são criminosas, elas sim são culpadas pela violência que geram, então vamos nomeá-las, vamos dizer quem elas são, vamos nos unir contra elas, pois se não enfrentarmos nossos criminosos voltaremos pro armário, voltaremos pro escondido e assim diremos que quem somos é digno de vergonha e culpa, porém te digo o contrário, não há nada de vergonhoso em ser afetado, não há nada de vergonhoso na sua feminilidade, vergonhoso é ser misógino, vergonhoso é ser homofóbico, vergonhoso é querer dizer que pra nos protegermos temos que deixar de existir em publico.


          
  A feminilidade atraí criminosos, isso é um fato, criminosos esses que me cuidaram na infância. Criminosos foram meus tios que usavam de coação e chacota contra minha feminilidade ainda na infância, criminosa foram minhas tias que em brigas usavam-me de hálibi para ofender minha mãe, por conta de minha feminilidade, criminosos foram meus primos que me xingavam e me impediam de brincar por conta de minha feminilidade, criminoso foram esses mesmos primos que me chamavam de frutinha, viadinho, boiola só para me fazerem sentir ainda mais excluído, me fazer sentir subalternizado e saber que meu jeito não era bem vindo, criminosos foram as pessoas na rua que diziam que por eu ser afeminado eu jogava futebol de forma ruim, porém no vôlei eu era mais bem aceito por ser um jogo feminino, criminosos foram as pessoas na escola que me excluiam por minha feminilidade na hora da interação social, mas juravam que na hora da prova eu era a melhor pessoa para passar cola, criminosos foram os meus professores que nunca interferiram quando alguém zombava de minha feminilidade, criminoso foi aquele menino na quinta série que me agrediu enquanto eu ia ao banheiro só por que eu não representava uma criança masculina, criminosos foram esses amigos de classe que me subalternizavam e para superar isso eu tinha que ser bom em falar de sexo hétero e só era respeitado enquanto eu estava pegando as menininhas, criminosos foram os diretores e professores que viam minha dificuldade e não falavam nada, criminosos foram minhas primas que zombavam do meu cabelo grande e diziam que eu parecia uma menina, como se parecer uma menina fosse algo horrível, criminosos foram aqueles meninos que paravam eu e minha namorada perguntando se éramos lésbicas, criminosa foi a igreja quando me ingressei nela e tinha que corresponder as normas de gênero e sexualidade, criminoso foi aquele pastor que dizia que eu interpretava o culto em libras de uma forma "meio estranha" e que era para eu parar de interpretar, criminosos foram meus amigos da igreja que se afastaram de mim no dia que me assumi gay, criminoso foi meu amigo que no dia que me levou na casa da vó dele pediu para eu maneirar nos trejeitos, criminoso foi aquele menino gay que falou para eu ter jeito de homem para não manchar a honra da classe, criminoso foram todos os meninos gays que disseram que eu não precisava dar pinta, criminoso foram amigos de trabalho que me achavam afeminado demais para ter qualquer contato fora do trabalho, esses sim cometeram crimes. Crimes esses que fizeram com que eu vivesse uma vida tentando me esconder, tentando fingir que eu era normal, tentando parecer menos afeminado, esses atentados contra minha identidade fizeram com que eu sentisse vergonha de ser afeminado, esses crimes fazem com que cresçamos com vergonha, faz com que cresçamos reforçando uma masculinidade que não é nossa.
            Isso tudo faz com que achemos que estamos errado, faz com que sintamos vergonha, lembro até hoje que quando assumi minha sexualidade pedi para que amigos me dessem toques de quando eu estava sendo afeminado e quando eu estava tendo trejeitos, passava conversas inteiras me policiando para não dar pinta, passava sempre em alerta tentando parecer uma pessoa hétero, tentando sustentar uma masculinidade, todos esses atentados contra minha identidade me fizeram entrar em relações fingindo uma masculinidade que não era minha e pior, me faziam procurar relações com pessoas que não aceitavam a minha feminilidade, então nunca me sentia bem para expressar de fato quem eu era.
            Quando alguém diz que não precisamos ser afeminados, quando alguém diz que não curte afeminados, quando somos subjulgados por nossa feminilidade, isso sim é um crime, esses sim são os verdadeiros criminosos, quando alguém acha que somos mais frágeis, mais sensíveis, mais manhosos, menos fortes por sermos afeminados essas pessoas estão cometendo crimes contra nossas identidades, estão dizendo que a nossa feminilidade nos faz subalternos, nos faz submissos e não nos faz fortes, essas são inverdades sobre nós, pois podemos ser quem nós quisermos ser, não será minha feminilidade que fará com que eu seja mais sensível, com que eu seja mais manhoso, com que seja menos forte, minha feminilidade não diz nada sobre isso, minha feminilidade é apenas uma expressão de quem eu sou e eu me orgulho dela, pois para aceitar minha feminilidade eu tive que enfrentar meus criminosos, para viver minha feminilidade eu tive que peitá-los e dizer quem de fato estava errado nessa história toda.

            Não sinta vergonha da sua feminilidade, não sinta medo de expressar quem de fato você é, se você não conseguir saber quem é e expressar isso de forma sincera, os outros dificilmente saberão como te respeitar.
            Não há nada de errado com nossa identidade, não há nada de errado com nossa feminilidade, não deixe com que esses criminosos continuem dizendo que estamos errados, não deixaremos que façam isso conosco, nossa feminilidade não nos faz alguém pior ou melhor, nossa feminilidade é uma expressão sincera de quem somos, não nos esconderemos, não nos privaremos, não nos envergonharemos.


            Não se cale, pois nosso silencio não nos protegerá, nossa invisibilidade não nos protegerá.

8 comentários:

  1. O Melhor texto, que eu li em anos ! S2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, que bom que gostou!!!
      Estamos juntos nessa.

      Excluir
  2. Excelente texto! Mexeu muito comigo, pois passei por tudo isso que você citou, durante toda a minha infância e adolescência, e só aos 17/18 anos consegui assumir minha sexualidade, minha feminilidade e fazer as pessoas me respeitarem como eu sou. Parabéns e muito obrigado pelo seu texto! Não nos calaremos. Não nos esconderemos mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      É isso aí, não se envergonhe daquilo que vc é, não se cale.

      Excluir
  3. Ahazooooouuuu! To ouvindo um samba e vislumbrando vc sambar na cara da sociedade!

    Te amo!

    ResponderExcluir